Recordações de um ano bem apressadinho

Foi um ano bem apressado mesmo! Nossa como passou rápido. Mas enquanto passava deu um bom prazo pra aprender muita coisa na faculdade, mas na vida mais ainda. Vou deixar um breve resumão do que mais marcou, vem comigo?

Na faculdade
1º semestre
Eletrônica digital: Ô materiazinha interessante. Deu muita base pra Arquitetura (abaixo). O mais intrigante foi o programa pra resolver mapa de karnaugh que me rendeu um dez! Nem foi necessário fazer avaliação. Sem dúvida o que mais marcou.

Estrutura de dados I
Descrobri que muita coisa existe e pouca gente conhece: pilha, lista, fila, etc. Diria que facilitaria bastante se pelo menos as pessoas a minha volta (onde trabalho) soubessem o conceito e utilizassem. Não sobra dúvida que ajuda um programador a ser “ágil” em determinadas rotinas.

Outra coisa que me deixou alegre foi algumas aulas que ministrei como reforço para os colegas. Ninguém imagina o quanto isso aumenta em bagagem, te deixa mais solto e te ensina ainda mais. Fica a dica pra você o fazer.

Metodologia científica
Aqui apareceu um dos professor com quem mais me identifiquei até hoje: ele não ensina metodologia científica apenas: te mostra como deveria ser uma universidade! Adeus época em que eu achava que reproduzir conhecimento era o que a escola deveria fazer. Diria que este é um legítimo “professor pra abrir a cabeça”. Meus agradecimentos ao ilustre professor José Reinaldo.

Filosofia:
Sinceramente concordo que muita coisa veio daqui, mas acredito que exista uma forma mais interessante de dizer isso, ficar estudando que “fulano falou isso” e “ajuda nisso”, “revolucionou isso” não é uma coisa que me atrai. Porém, nota 10 pra forma da professora dar aula. Primeira vez na minha vida que não tive avaliação no final do bimestre. Tive avaliação dentro de sala, todo dia você faz alguma coisa e ganha parte da nota, legal.

2º semestre
Continua a saga de aprendizado em ED2, agora com árvores binárias e grafos. É muita coisa que pouca gente conhece. Onde trabalho por exemplo, de nada adianta falar pra alguém que uma árvore ajuda ele evitar pelo menos quinhentas linhas de código: tem muito conceito por trás e é impossível usar sem ele. O curioso é que em uma parte de um sistema que mantenho acabei utilizando árvore sem conhecer (espanto). São algumas funções recursivas que fazem o tratamento de uma árvore de opções que o usuário pode escolher, nada importante demais pra ressaltar.

Banco de dados: dei muitas opniões na aula da professora, muitas mesmo. Mas no final ela me agradeceu (e é claro, fiquei todo “pomposo” 😀 ). Mas comigo é assim, acho que pode melhorar não penso duas vezes: falo. No conteúdo teve muita coisa teórica, mas quase sempre algo que já utilizo na prática: banco de dados é algo que se usa muito, pode crer.

Juntando banco de dados com árvores: acabei descobrindo o conceito que está por trás de índices. Acredite: muda sua forma de trabalhar. Consigo perfeitamente entender agora porque um índice é que sustenta um banco de dados e onde/quando devo utilizá-lo ou não. Porém, isso é matéria do próximo semestre: banco de dados II. Vale também pra entender sistemas de arquivos, mas é matéria pra sistemas operacionais I ou II, então deixo os detalhes de lado.

Arquitetura foi um máximo: aprendi a construir uma máquina digital (hipotetic computer). Gostei mesmo deste negócio… minha máquina ficou toda funcionando. Estou até pensando em me dedicar mais nesta área, quem sabe não tenho futuro? Placas, computadores, emocionante! Vamos ver o que está por vir em Arquitetura II.

Probabilidade: não teve muita coisa a acrescentar na bagagem. Não que tenha deixado de frequentado as aulas, mas é uma matéria que um programador não usa muito no seu dia a dia. Da probabilidade/estatística que uso no meu dia a dia, a maioria aprendi no Ensino Médio e o retante com a necessidade. Mas espero fazer uso se surgir necessidade, de todos os males sei que o conteúdo existe.

Não poderia deixar de registrar no final que neste último semestre houve um fenômeno de diminuição de minhas médias. Tudo bem que foram todas acima de nove, mas os semestres anteriores tiveram médias de apreveitamento dez.

Na vida
Pra início, cancelei um monte de conta em banco, dava muito trabalho manter. Sem falar que acabam te cobrando muito por ela. Pra queimar minha lingua, a empresa onde trabalho começou a pagar salário no BB e foi com esta conta que fiquei. Mas teve um lado bom: como toda minha movimentação ficou concentrada em apenas um lugar ganhei um gerente novo que tem mais tempo pra ouvir o que preciso.

Também comecei a investir em fundos de ações. Coisa ariscada de se fazer, diriam alguns. Mas o país está crescendo e estou tendo um ótimo rendimento. Fica a dica pra que você faça. Dividendos e Exportação são boas pedidas para o ano que vem, dizem os especialistas. E não vem falar que não tem dinheiro pra fazê-lo… com R$ 200 você já começa e o banco é quem administra, pois é fundo.

Também comprei um lote no residencial arcoíris. É mais na esperança de valorizar mesmo porque ô cidadezinha inflada imobiliariamente. A terra aqui parece que tem ouro.

Finalizando a parte financeira, troquei de computador no início do ano e minha moto está quase toda paga, faltam só três!

Quanto a leitura, tudo ficou concentrado em internet quase o ano todo. Mas isso é muito, e o conteúdo é bem selecionado.

Pra não dizer que não li livro, gostei bastante do “Guia de Expressões Regulares” de Aurélio Martins e é algo que me ajuda no dia a dia. Há!, vai ser útil em “Linguagens Formais” e “Compiladores”… que chutão que fiz!

Agora nas férias estou lendo um livrinho com mais de 1000 páginas :D. O nome dele é “Profissional linux programando”. Ótima pedida pra quem tá fazendo universidade, aliás, pra quem pretende ser programador. E isso não se restringe a linux pois o livro ensina usar várias ferramentas como cvs, banco de dados como mysql e postgres dentre outras ferramentas. A compra dele foi um ótimo investimento. Comprei-o por apenas R$ 20 e ele custa mais de R$ 200. Foi uma promoção da Makron Books com a Pearson Education.

Pro ano que vem já pedi “Pai Rico, Pai Pobre”, “Quem mexeu no meu queijo” e “Porque os homens fazem sexo e as mulheres amor”. Como percebe, esta é a parte não científica de minha leitura.

Diria que foi um ano “conturbado” e nem colocaria aqui, afinal, é um blog de tecnologia. Porém, quero deixar registrado para que eu veja algum dia e para retribuir as pessoas que fizeram parte de minha vida neste período e vão ler isso aqui.

No início do ano meus pais se separaram e isso veio junto com uma mudança de casa e muita responsabilidade. Sem dúvida uma experiência que não gostei.
Na minha parte houve também um final de relacionamento, uma grande perda sem dúvida.

Como ficar sozinho te dá algum tempo livre, criei este blog e é por isso que você leu tudo isso agora. (que piada 😀 )

Meu muito obrigado a todos que leram e fizeram proveito do que foi postado aqui. Deixo o desejo que comentem mais já que bastante gente lê mas não me mostra sua opnião.

Este é a parte de retribuição já que muita coisa não se deve agradecer. Aos meus colegas, da faculdade ou não, presentes no meu dia a dia. É algo marcante e é um período que vou lembrar quando for contar para meus filhos e netos. Não vou citar nomes mas quem participa sabe que sempre tento retribuir a companhia e amizade mesmo que da minha forma.

Um ótimo novo ano a todos!

Anúncios

2 comentários sobre “Recordações de um ano bem apressadinho

  1. Ola meu ano tbm foi corrido, mas acho q o seu foi mais pq vc sumiu e nao da mais sinal de vida pros amigos neh…
    Com certeza 2005 vai ser um aano de muitas realizacoes pra vc (pode ate sxer mais corrido que 2004, mas vc merece muitas alegrias q este ano (2005) apresenta pra vc/).. Bjao vc merece td de bom !!!! Ve se nao some !!!

    Curtir

  2. Parabéns pela iniciativa de "bloggar" seus momentos. Nada daquela linguagem estranha de "naum" ou "kd vc", etc. Seu domínio da escrita é incomum entre os meus alunos. Feliz festas. 🙂

    Curtir

Os comentários estão desativados.