A Cabeça de Steve Jobs, de Quem Não Vive no Mundo Mac

Acabo de ler o livro A Cabeça de Steve Jobs e para não perder os mais interessantes achados no livro estou aqui registrando-os. Primeiro, o que não gostei.

Não gostei muito da organização do livro. A tentativa do autor, Leander Kahney, de dividir em capítulos por tema resultou em uma certa bagunça. Sabe aquele tipo de escrita que tem muito: “Daqui a pouco falaremos mais disso”? Quase que o único capítulo que segue seu título é o último, o oitavo: “Controle Total – A obra toda”. Aliás, o melhor dos capítulos na minha opnião. O mais esclarecedor do porquê das decisões do Steve.

Ilustrações! Faltou. Durante a leitura senti extrema falta de figuras. É como se o livro fosse escrito somente para quem acompanhou toda a trajetória dos Macs. Pra quem sabe que o Mac tinha o botão de desligar na parte de trás. Para quem acompanhou todas as propagandas “Pense Diferente (Think Different)”. Às vezes tive que recorrer ao YouTube e a figuras na web.

E por falar das propagandas, não parecem tão boas assim. Claro, tem muito a ver com a cultura em que estou inserido. Mas na minha opnião existem propagandas infinitamente melhores aqui no Brasil. Essa parte foi a que mais achei fanatismo dos “Mac-maníacos” juntamente com o ovacionismo nas Macworld”s quando Steve diz: “E tem mais…”.

Inventividade? Nada! Steve, de acordo com o livro, é um “escolhedor”. O que ele faz de melhor é escolher e rejeitar as melhores e piores idéias dos seus colaboradores, para logo depois achá-las uma ótima idéia, com a mínima ou sequer nenhuma alteração. O grande detalhe está no processo de simplificação. Steve rejeitou o nome iPod antes de aceitá-lo.

Steve também “rouba” idéias, como foi o caso da GUI que copiou da Xerox. Não estou condenando. O livro te aconselha a fazer o mesmo! A Xerox não saberia o que fazer com aquilo na época. Ela vendia máquinas de copiar.

Além de escolhedor, é um caçador de talentos. Sempre contrata e mantém os melhores a sua volta. Essa é uma cultura que grande parte dos brasileiros empreendedores não possuem. Talvez seja essa história do jeitinho brasileiro, sempre tentando tapar buraco. Não é possível ser o melhor sem os melhores, nisso eu acredito.

Para manter estes talentos na Apple ele distribui opções de compra de ações, por valores baixos. Quando o funcionário resolve comprar ou vender as ações elas valem mais do que eles pagaram por elas. Isso mantém qualquer um motivado, e inventivo. Não tenho notícias dessa cultura na área de TI aqui no Brasil, mesmo que seja na forma de PLR.

Steve também é um aficcionado por perfeição. Não há como negar que iPod e iPhone são perfeitos demais para a maioria dos usuários. O acabamento é muito bem feito. Duvida? Então vejamos. Responda a seguinte pergunta: “Quantas vezes comprou um produto e abriu a caixa observando cada efeito desde a luminosidade, efeitos, o porquê das fontes na embalagem, dobras das abas até, enfim, visualizar o produto?” É, isso mesmo, até a embalagem do equipamento é pensada neste nível de detalhes. Veja a cerimônia desta “unboxing” neste vídeo (como é chamado a abertura da embalagem). O mais interessante é que ao chegar ao iPhone, ele coloca-o de lado. Algum brasileiro faz isso?

Aliás, tudo que roda o mundo Mac parece ter uma certa diferença. Só de curiosidade, passe em uma banca de revista e veja a capa da Mac+ número 38. Acredite, esta foto aqui ao lado não tem nada a ver com olhá-la em suas mãos.

Confesso que discordei de grande parte do livro até ler o último capítulo. Nele, muita coisa fez sentido para um usuário de Linux e Windows. Há uma explicação interessante dos modelos vertical e horizontal de distribuição de equipamentos. Steve, desde que fundou a Apple, segue o modelo vertical.

No modelo vertical a distribuição contempla o conjunto: hardware, software e serviços, ou seja, a solução completa. O iPod por exemplo não é somente o aparelho. É o conjunto: aparelho, software e loja iTunes. E isso vai contra o que aconteceu nos últimos 30 anos. Buscou-se uma comoditização/generalização do hardware, e algumas empresas focaram em hardware (Intel, AMD), outras em software (Microsoft) e outros ainda em serviços para as plataformas.

Ser o dono de tudo facilita muito a distribuição e reduz drasticamente a quantidade de erros de integração. A Microsoft demorou mais copiou isso, com o Zune e o XBox. E aparentemente o mundo está girando a favor da Apple neste sentido. O autor se refere a isso como se Steve estivesse à frente do seu tempo, cerca de trinta anos. Não estou certo disso.

Mas isto está virando resumo do livro! Vou deixar a idéia solta, para sobrar vontade de ler o livro! Há muito mais do que o escrito aqui! Hummm, nem falei da obsessão pelo segredo até o lançamento, o formato das lojas de varejo, …

Anúncios

Um comentário sobre “A Cabeça de Steve Jobs, de Quem Não Vive no Mundo Mac

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s